Marcadores

Seguidores

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Depois da Chuva



Depois da Chuva

Depois que a chuva caiu
não  se vislumbrou
o  arco-íris no céu
e o sol teve que se render
para silenciosamente
se pôr sem a alegria
de ver belos horizontes!


Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®


sábado, 23 de novembro de 2013

Tela Nua

"A noite desceu sobre a cidade,
e pincelou o céu com cores de paixão"
 Piedade Araujo Sol

Tela Nua

A noite desceu sobre a cidade,
pincelou o céu com cores de paixão,
incendiou meu rosto de saudade
fez arder o meu pobre coração!

Fez soar o prelúdio de uma canção
e por um instante vi uma lágrima
acender uma estrela na minha mão
na paz do anoitecer sem lástima.

Desenhou-se meu noturno semblante,
lírico, sonhando-te menestrel da lua
versando ternuras de amor extasiante.

E em teus braços a noite desjejua,
colore o céu em mistura abrasante
retratando-me densa em tela nua.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 10 de novembro de 2013

Quadra - Quando eu não sabia amar





Quando eu não sabia amar
o mar não trazia lembrança,
nem motivo para festejar
um abraço de esperança !


Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®


segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Memórias da nossa casa



Memórias Da Nossa Casa

Tatuamos naquelas brancas paredes
nosso ninho de amor em ternuras,
as juras ao balanço das redes
e as sedes que enlaçam criaturas.

O tempo ladrilhou o nosso chão
e nos corredores nossos passeios
semearam jardins no meu coração
florescendo rosas rubras nos seios.

Lembranças de um sol vivo na sala
energizando horas ao amanhecer
para sermos felizes sem escala.

Hoje nossa casa guarda o viver
no cognome saudade e apunhala
dois corações logo ao alvorecer.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 27 de outubro de 2013

Lua Cor de Rosa


LUA COR DE ROSA

Descia a noite em teu olhar noturno,
Telúrico aos piscares das estrelas
Que levantei meus olhos para vê-las
Entre os brilhos dos anéis de saturno.

Do céu, uma lua cor de rosa, toda prosa,
Cismava com a face da rua tão brilhante
Ao estender teu abraço e beijo amante
No mel da boca daquela noite calorosa.

Exultei em ti, translúcida em carícias,
De ombros nus num vestido de renda,
Acinturada em ti em cósmica oferenda
Senti a noite estender-me em delícias.

E contigo estive sidéria por nosso chão
Bailando visceral na canção das aragens,
Beijo à beijo, compassando passagens,
Nas barras amantíssimas do teu coração.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Socozinho




SOCOZINHO

Á beira d´agua 
Socozinho espreita
mais um petisco!

*
Ave ribeirinha
vive nos mangues, lagos,
Parques urbanos!

*
Sempre visto só,
quando assustado ele voa
para bem longe!

*

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

sábado, 19 de outubro de 2013

Nada


NADA

Vida, o que sei de ti? Talvez nada...
Talvez bem menos que o sopro
De um instante sobre uma mirada
Tentando entender o frágil assopro.

Inspirações? Talvez nada....
Talvez a certeza tristíssima
De que a hora está acabada
Para pautas agradabilissimas.

E a noite vem! Ela é um vício,
Um soluço, uns versos, um nada...
Talvez o respirar, o ócio e ofício
De ser busca sobre o nada!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Momento

Foto - Piedade Araujo Sol

MOMENTO

Entardece o dia
e o vermelho no céu
prenuncia o poente.


Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 13 de outubro de 2013

Gotas de Chuva






Gotas de chuva
no verde da folhagem_
Brincos de cristal!


Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Homenagem Póstuma à Ruth Silva Telles



HOMENAGEM PÓSTUMA
À RUTH SILVA TELLES 

 RUTH, mãe de um filho deficiente intelectual, 
e uma das fundadoras da Apae de São Paulo 
e da Unidade Sítio Arco-Íris da Apae de Araras – SP.


Ruth, a Mulher idealista, determinada,
teve visão, dinamismo e dedicação
pela causa do deficiente mental
concretizou o sonho, a fé e a doação.

Ruth, a Mãe, que buscou novos rumos,
que apontou estratégias para moradia,
ocupação e lazer fez nascer sorrisos
no jovem, no adulto e no idoso Apaeano.

Ruth, a Sonhadora e plena na razão,
plantou sementes que frutificaram
esperanças, solidariedade e união
dentro da Apae - Sitio Arco-Íris – sinônimo de amor.

Ruth, a Mestra dos bons ensinamentos
deixa o seu legado de amor ao próximo
sempre construído ao lado de seu marido,
Dr. Gilberto Carlos Silva Telles,
ambos exemplos de partilha, honradez e humildade.
  
Que a Paz e a Luz  acompanhe nossa amiga Ruth,
mulher que soube usar os talentos que Deus lhe deu
para promover mudanças na vida de seu semelhante,
deixando em nós e em seus familiares eternas saudades.

Com especial amor e carinho,
Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®


quinta-feira, 26 de setembro de 2013

De onde vem a Poesia?


DE ONDE VEM A POESIA?


A poesia vem de dentro 
expressando o sentimento 
levando-nos ao centro 
da palavra: o alimento. 


Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Haicai - Martim Pescador





Nome: Martinho.
Que belo passarinho.
 Martim Pescador!
*
Martim, o Pica-Peixe
dos rios, lagos e charcos
assim é na Amazônia.
*
Som de matraca
forte e estridente
canta e emplaca.

*
Vilma Piva

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Melindrosa



MELINDROSA

Roubaram-lhe a ingenuidade
que sorria para a vida ilusória
e deram-lhe vestes da cor terra
com franjas das quatro estações
tremulando na barra da saia.

Levaram-lhe os cetins de bailarina,
o encanto das sapatilhas cor de rosa
e fizeram-lhe pequena camponesa
do dia à dia:  - Pão sobre a mesa.

Prenderam-lhe ao verde dos campos,
aos cantos dos pássaros e dos rios,
ao azul infinito, ao vento, ao sol e a chuva,
a seda, ao linho e ao algodão.

Restou-lhe o  romantismo
de um triste olhar
 e o carmim das melindrosas.


Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Sonho de Primavera




SONHO DE PRIMAVERA

Quem me dera....
Enxugar o pranto e dar cor ao teu rosto
Ver o sentido do sol na palma da mão
Ir e reflorir teus canteiros com gosto
Cuidar das lágrimas do teu coração.

Ser a deusa do amor, curar tuas feridas,
Saciar teus sonhos, flutuar aos ventos,
Cantar odes de alegrias sem partidas
Perfumar a vida com nossos momentos.

Quem me dera...
Vislumbrar a mágica para ser feliz
E contigo estar a cada amanhecer,
Ocupar teu peito com força motriz,
Ser tua canção e em teus beijos viver.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®


quinta-feira, 5 de setembro de 2013

O Silencio



O silencio é o caminho 
do poeta e na escuridão
ele faz a travessia para o etéreo.


Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 18 de agosto de 2013

Encontro



ENCONTRO

Tens em meus lábios o doce segredo
Que cativa minha boca em trilhas
E me desvelas o beijo e compartilhas
Das chamas que não são degredos.

Sou a busca do amor enternecido
Perdidamente amante de teu coração
Onde ainda há pouco resvalei minha mão
No teu peito de sonhos destemidos.

E meu coração descompassa, te abraça,
Como se num instante eu pudesse ser
O vulto dessa asa viva em teu querer
A beijar-te com vinhos na minha taça.

E rendo-me à tua boca, ó prisioneiro,
Nas celas da tentação de teu ninho
Embebida nas noites que caminho
Alvejada pela tua flecha de arqueiro.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 11 de agosto de 2013

P A I


PAI

Do teu rosto
Quanto me lembro....
Daquelas marcas na testa
franzindo teu semblante,
num misto de austeridade
tantas vezes tão breve, passageira,
suavizada por tua bondade.

Da tua voz
quanto me lembro...
Chamando- me “minha filhinha”
entre carinhos e reprimendas
explicando-me o certo e o errado
ou ensinando-me as horas
orgulhoso de seu relógio de bolso.

Das tuas mãos,
saudosa me lembro...
Dos desenhos que fiz seguindo
o caminho das veias azuladas de labutas,
naquela jovem mão calejada da enxada
e das cordas que guiavam animais
desde sua tenra idade ao sol do trabalho.

Dos teus passos...
Quanto me lembro
daquele pisar forte
chegando às tardinhas
de passos já cansados
chamando-nos à sua volta
conferindo o hoje de cada um,
pedindo nossas escolhas
para passeio no domingo, depois da missa.

Ah...e tua espontaneidade
naqueles passos abrindo o baile
com desenvoltura dançando
arrasta-pé, catira e valsa!

E quanto me lembro
daquele carinho recheado
de alegria e aconchego ao cair da noite,
junto dos filhos contando estórias e histórias,
esperando o nosso sono chegar com sua benção
para depois dormir no sossego do merecido repouso...

Ah... Meu querido Pai!
Quanta saudade!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

sábado, 3 de agosto de 2013

Rio Revolto


RIO  REVOLTO 

Há um rio revolto levando águas
para as corredeiras chorosas
margeando encostas sem mágoas
atravessando distâncias amorosas.

Desliza solto, corre, invade
campos, florestas, cerrados,
murmurando com toda agilidade
a dor de ser só, triste, agoniado.

Serpenteia águas em seu curso
mas não crê que haverá uma foz
que o amaine desse triste discurso...

Segue incrédulo em seu leito atroz
fazendo das quedas rito e percurso
onde a lágrima é barco veloz!

Sem ver a barcaça e o albatroz
sobre o mar, sua verdade e foz!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 14 de julho de 2013

Noite Peregrina



NOITE PEREGRINA

Esse teu pensamento me emociona,
pois ouço teu hino ao coração
cantando ao longe o que tensiona
as cordas das rimas em louvação.

Acreditas em minha alma, em mim,
[traduzida mostra transparente]
neste meu amor por ti, sem fim,
em sonho vívido profundamente.

Debruço-me à lua olhando o céu
exilada ao infinito deste amor;
ao sentimento que retira o véu

cortada por um grito dominador,
digo ao meu silencioso mundéu:
- Sou tua noite peregrina de amor!

Somos amorosamente ardentes,
parceiros do amor em corpos amantes!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

terça-feira, 9 de julho de 2013

Interioridades


INTERIORIDADES

Do meu interior trago coisas simples da vida
como essa luz que atravessa a tarde preguiçosa
para descansar na noite dos teus braços.

Trago  água fresca das fontes e o suave mistério
povoado de sonhos nascedouros de um beijo
tão claro, como  todas as vezes em que  o dia me abriu.

Ofereço-te  meu campo  de girassóis, sombra e sementes,
colheitas  que chegam e ardem encantos para teu rosto
aderente ao sol que  ora me chama e me lavra em poesia.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

sábado, 6 de julho de 2013

Noite



NOITE

Molha a boca da noite 
O agridoce do olhar 
Com sabor de deleite.

*


Morena rosa
Vestiu de pensamentos
O azul da noite.

O céu da noite
Brilhou entre colunas
Róseas estrelas

*
Noite Morena
Adolesce cintilante
À luz da aurora.

*

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®


quinta-feira, 4 de julho de 2013

Fuga



Sobre o olhar posto
a palavra fugiu da dor
sob um passado deposto.


Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

terça-feira, 25 de junho de 2013

Sabemos de Nós



SABEMOS DE NÓS

Sabemos de nós....
E dessa sombra de som
Preenchendo conchas vazias
Dedicadas ao vento que dá o tom
De suspiros amorosos a cada dia.

Sabemos de nós ...

E dessa vontade gemida 
Apertando nossos lábios 
De desejos em delicias de beijos,
Que dos nossos olhos brilham....


Sabemos de nós...
E desse trafego indigesto
Agigantando o caos das ruas
Querendo nos tirar perspectivas
Dos sonhos plantados no tempo.

Sabemos de nós...
Cantil do caminho, sombra e remanso
Nesse ocre chão caminheiro de luzes
Desvendando chaves e mistérios
No trêmulo sabor do néctar da poesia.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®



domingo, 9 de junho de 2013

Sob o Céu do Outono

Obra - Vladimir Volegov


SOB O CÉU DO OUTONO

Há sob o céu do outono
Recantos de tardes
Varandas de nuvens
Inquietudes de asas
Ninhos, folhas e gravetos...

Há sabiás nas laranjeiras
Frutos maduros
Palcos de sol e lua
Brisas arrepiadas
Sussurros quentes
Beijos transparentes
E uma longa jornada
Esperando por nós dois....


Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®